10/11/2011

MATUTANDO: Erros da Direção, um hábito em 10 atos


Mais de um ano se passou e a Direção gremista acumula um assustador numero de erros que demonstram o quão tecnicamente deficientes e avessos a profissionalização do clube são os gestores do futebol. O ano iniciou com o fracasso estrondoso na tentativa de contratar Ronaldinho, mas não é este o primeiro ato errôneo da gestão, o problema vem de muito antes, na formação da chapa de Odone já surgiam os primeiros rumores da desorganização que viria a se confirmar. Vamos dividir a crítica do ClicGrêmio em 10 atos, os quais são embasados apenas em fatos que consolidam a bagunça vivida pelo Imortal Tricolor dos Pampas.


Ato 1

Paulo Odone de Araújo Ribeiro é eleito presidente do Grêmio em 7 de setembro de 2010, o que se pensava como a melhor solução para salvar o clube dos tempos de seca e de uma gestão ruim do então Presidente Duda Kroeff acabaria sendo um banho de água fria para a nação gremista. Já neste momento surgiam rumores de que alguns integrantes da chapa do candidato Odone não sabiam que estavam inscritos, ou seja, pessoas que futuramente decidiriam o futuro do Grêmio nem sabiam que estavam concorrendo, não foram informados NEM DE SUA INSCRIÇÃO. Mesmo após os rumores, o atual Presidente e sua chapa "destruíram" a oposição nas eleições, ficando com o controle quase absoluto do clube.


Ato 2

Após eleito, Paulo Odone iniciou discretamente a formação do "grupo de 2011". A primeira e grande jogada da Direção seria a contratação do jogador Ronaldinho Gaúcho que estava no banco do Milan e queria voltar ao Brasil, a noticia acabaria vazando, e outros clubes surgiriam na jogada.

Não é de recriminar a atitude de Odone e de seu então vice de futebol Antônio Vicente Martins, buscavam um grande nome para formar o elenco do ano seguinte, o erro estava nas tratativas por apenas esse jogador, esqueciam os dirigentes que um time de futebol é formado por 11 titulares e um bom banco de reservas. Ignoraram a celebre frase do poeta britânico John Donne: "nem um homem é uma ilha", algo plenamente adaptável ao mundo do futebol.


Ato 3

Depois de uma novela interminável na tentativa da contratação de Ronaldinho, que iniciara as escondidas em 2010 e caiu como uma bomba na mídia, o Imortal entrou em um verdadeiro leilão feito pelo irmão do jogador, A$$is, que durou vários meses de desgaste.

Após de uma longa a queda de braço pelo ex-craque contra Flamengo e Palmeiras, foi determinado a colocação caixas de som para a festa de apresentação do jogador e de seu irmão, mas ambos deram literalmente um "bolo" no Tricolor, o que culminou horas depois na desistência do negócio pelo clube.


Ato 4

Depois de praticamente ignorar outras contratações e de esquecerem por completo as renovações de contrato, dando total atenção a fracassada tentativa de contratação de Ronaldinho, o Grêmio teve mais uma perda irreparável. Com multa rescisória irrisória, sem atenção do clube e com grande vontade de jogar na Europa, Jonas deixava o clube por míseros 1,25 milhão de euros e partia para o Valência da Espanha. Sem o grande goleador que havia feito mais de 70 gols pelo clube, o time viveu uma verdadeira crise no setor de ataque, improvisando diversas vezes André Lima e Borges que, por terem as mesmas características, não deram certo.


Ato 5

O ano gremista havia começado mal, mas piorava, isso porque a classificação conseguida com sangue em 2010 foi colocada no lixo com uma das piores participações do Imortal na história da Libertadores. Com o placar de 2x1 (em casa) e 1x0 (fora) favorável ao rival das oitavas, Universidad Católica do Chile, nas quartas-de-final, o Tricolor acabou dando adeus a copa, sobrava apenas o Gauchão contra o Inter, igualmente eliminado pelo Peñarol na mesma fase da competição continental.


Ato 6

Depois da derrota na Libertadores o Grêmio voltava sua atenção para o Estadual, única possibilidade de título no primeiro semestre.

Com Renato Portaluppi no comando técnico, o Imortal revivia os anos 80 vencendo o Internacional dentro do Beira-Rio pelo grande placar de 3x2 e uma atuação de luxo, encaminhando o título. A decepção veio uma semana depois, sem conseguir repetir o bom resultado, acabamos derrotados no jogo de volta por 3x2, na decisão por pênaltis mais uma derrota. Perdíamos um título ganho, dentro de casa e para o maior rival.


Ato 7

As até então trágicas situações sofridas pelo Grêmio devido ao elenco limitadíssimo criado pela Direção teve outro responsabilizado. O então técnico Renato Gaúcho fazia um trabalho de superação com um grupo de jogadores extremamente deficiente, mas acabou demitido. A torcida protestava naquele momento, "queriam a cabeça" dos dirigentes, verdadeiros responsáveis pela situação de então, gritando em coro "Fora Odone!" e "Odone safado, só quer ser deputado".

Ato 8

Odone atingia seu grande objetivo em 2011, retirar Renato Portaluppi do Grêmio. Em seu lugar entrava o contestado Celso Roth, que tinha como ultimo trabalho o inconstante Internacional campeão da Libertadores e meses depois vergonhosamente derrotado pelo Mazembe TP, clube africano do Congo.

Neste momento começaram a chegar os reforços e a equipe iniciou uma evolução gradativa, mas as irregularidades nas atuações persistiram e o time acabaria fazendo uma apresentação pífia no Brasileirão.


Ato 9

O Grêmio pagou caro na busca por reforços, mas o dinheiro foi em vão. Muitos dos contratados mal entraram em campo, caso do atacante Miralles contratado junto ao Colo-Colo do Chile por 2,3 milhões de dólares.

As dívidas do clube aumentaram consideravelmente, chegando a quase 200 milhões. No campo econômico, a propósito, Odone foi o primeiro a afundar o Grêmio, assinando acordo com a Rede Globo pelos direitos de televisão, reduzindo o já então baixo escalão do clube, que ficará atrás da maioria dos grandes clubes do país na divisão das cotas de TV.

Ato 10

Imperador Paulo Odone Obino
Guerreiro de Araújo Ribeiro I
Agora chegamos no final do ano, um ano desde a posse de Paulo Odone. No Brasileirão, até então, vencemos o mesmo número de jogos que perdemos, saldo de gols negativo, campanha de time médio-pequeno. No Gauchão uma derrota vergonhosa para o Inter em casa na final e na Libertadores fica desnecessário comentar sobre a pior campanha dos últimos 21 anos.

Não há qualquer perspectiva de presente ou futuro, não se tirando uma boa contribuição da Direção autoritária do Grêmio em mais 380 dias de comando. Temos pela frente o grande sonho de formar uma equipe vencedora para 2012, mas na primeira tentativa de contratação já encontramos os primeiros erros.

A título de exemplo, o pretendido atacante Kleber do Palmeiras se reuniu com dirigentes sem qualquer poder de decisão para fechar a contratação, não estava presente o Presidente Odone ou Paulo Pelaipe, em uma demonstração cabal da desorganização do barco a deriva chamado "Grêmio". Outra grande bomba fica a cargo da campanha puxada pelo Presidente para a permanência do patético Juarez Roth como técnico do time da próxima temporada.


Por favor, PAREM DE DESTRUIR O NOSSO GRÊMIO!!!





OBS.: Esse post pode parecer anti-Odone, mas nada mais é do que a verdade vivida pelo Grêmio em 2011.
OBS.: Esse post não é político, nem o poderia considerando que o blogueiro sempre apoiou a facção do então criticado.

0 comentários:

Postar um comentário

Web Page Traffic Counters

Visitantes desde 26/11/2011